• 28 de fevereiro de 2024

Em seminário, Rosa defende desenvolvimento com valorização do trabalho

As centrais sindicais na Bahia participaram, nesta terça-feira (31), do seminário “Conjuntura e Desafios das Relações de Trabalho na Atualidade”, realizado em Salvador, pela Superintendência Regional do Trabalho na Bahia. Na abertura, a superintendente do Trabalho, Gleide Gois destacou os novos ares no Brasil. “Que bom retomar debates como esses com quem luta em defesa da classe trabalhadora, contra o trabalho escravo e por mais direitos. Obrigado ao movimento sindical pelas boas parcerias, especialmente nesses novos tempos. É hora de reconstruir o Brasil e novas relações de trabalho”, afirmou.

Participaram do ato, o secretário estadual do Trabalho, Davidson Magalhães;  Dr. Luis Carneiro, do Ministério Público do Trabalho; Dra. Débora Machado, do TRT-5ª Região; o vereador Augusto Vasconcelos (PCdoB); e os representantes das centrais sindicais: Rosa de Souza (CTB), Emerson Gomes (Força), Leonardo Urpia (CUT), Marcelo Carvalho (UGT) e José Ramos (NCST).

Rosa parabenizou a iniciativa e lembrou que os últimos 6 anos foram de aumento do desemprego e ataques aos direitos trabalhistas, pelos governos de Temer e Bolsonaro. “O movimento sindical ajudou a mudar a realidade nas eleições de outubro, com a vitória de Lula. A expectativa é positiva para mudanças na política e na economia, reconstruindo o Brasil, as políticas sociais e resgatando direitos perdidos”, pontuou.

A dirigente afirmou que o sindicalismo quer desenvolvimento econômico com valorização do trabalho. “Já é positivo ver a proposta de valorização do salário mínimo, provavelmente a partir de maio, a indicação de mudar pontos da reforma trabalhista indica um tempo de resgate de direitos. Com autonomia, vamos contribuir para ajudar o governo a implantar mudanças que ajudem a classe trabalhadora. E na Bahia, atuaremos para que o governo de Jerônimo Rodrigues avance ainda mais nas políticas de desenvolvimento com inclusão social”, disse.

CENÁRIO POSITIVO, NOVOS DESAFIOS

Representando o governador Jerônimo Rodrigues, o titular da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Davidson Magalhães destacou o lado positivo do novo cenário. “Foi um período de resistência do sindicalismo, da Justiça do Trabalho, MPT e SRTE. Teremos que reconstruir novas relações de trabalho no momento de crise do capitalismo, com mais exploração e precarização do trabalho. Celebramos a vitória Lula diante de uma correlação de forças desfavorável. É um novo tempo, mas que exigirá maior mobilização dos movimentos sociais e da classe trabalhadora para garantir a valorização do trabalho”, afirmou.

Segundo o vereador Augusto Vasconcelos (PCdoB), que é presidente do Sindicato dos Bancários, vivemos um paradoxo. “Como pode ser, em plena pandemia, aumentar a fome e a pobreza, ao mesmo tempo que o número de bilionários no Brasil e no mundo? Saímos de um processo de desmonte da legislação trabalhista para um momento de fortalecer direitos e os órgãos públicos que lidam com o trabalho”, enfatizou.

Os representantes das demais centrais foram unânimes em destacar o início do governo Lula, que já se reuniu com o movimento sindical e apontou mudanças importantes.

Fonte :  CTB Bahia 

 

Post Anterior

Centrais se reúnem com ministro do Trabalho e pedem garantia dos empregos e convocação da Americanas

Próximo Post

Carnaval deve injetar R$ 1,8 bi na economia de Salvador