• 28 de fevereiro de 2024

Custo de vida ficou 0,6% mais alto em Salvador e RMS em janeiro

O ano de 2023 já começou puxado para o orçamento das famílias de Salvador e Região Metropolitana. Por aqui, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aferido entre os dias 14 de dezembro e 12 de janeiro ficou em 0,6%, um pouco acima do registrado no país (0,55%, prévia mais alta do que o esperado por analistas do mercado financeiro) e o quinto maior entre as capitais (o IPCA mais alto foi encontrado em Belo Horizonte, a 0,92%). No intervalo de 12 meses encerrado em janeiro, a capital baiana acumula uma alta no custo de vida de 6,32%.

Vale lembrar que a escalada desses índices compromete diretamente o destino dos ganhos do consumidor e seu poder de compra: apenas as despesas básicas do cotidiano tem um peso de 55,91% no IPCA mensal. Colocar comida na mesa soteropolitana responde por 23,43%, enquanto o transporte representa 18,54% e a habitação 13,94%, de acordo com o levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nesses três itens avaliados na prévia da inflação oficial, apenas os transportes tiveram recuo (-0,3%), impulsionados pela redução do preço da gasolina, que já pode ser encontrada por menos de R$ 5 em alguns postos da cidade.

Exceto pela mobilidade, todos os sete demais setores apurados pelo IBGE subiram em Salvador. A categoria que mais dificultou o orçamento das famílias nesta prévia do IPCA foi a energia elétrica domiciliar, com um avanço de 3,96% em janeiro. A normalização do Imposto Sob a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 27% incidente nas contas de luz foi um dos fatores a impulsionar o custo.

Hoje, uma família que consome 185 kWh de energia paga aproximadamente R$ 210, conforme pesquisa da Tribuna em um condomínio no bairro do Bonfim. Para os próximos meses, as notícias não são muito animadoras: a partir do dia 22 de abril, há possibilidade de um reajuste médio de 7,5% nas contas por parte da Neoenergia Coelba, de acordo com a tabela de processos tarifários da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Nominalmente, a maior alta absoluta em Salvador e RMS foi do segmento de comunicação (2,68%), influenciada pelos reajustes em serviços como tv por assinatura e o combo com serviços de Internet e telefonia. Outro setor que puxou o custo de vida das famílias foi a saúde e cuidados pessoais (1,24%): de acordo com o IBGE e especialistas em economia, a alta teve influência do reajuste anual da fração dos planos de saúde no ciclo 2022-2023, que atinge tanto os novos segurados quanto os atuais beneficiários. O perfume foi o item de cuidado pessoal que mais avançou (3,5%).

A ANEEL vai avaliar as propostas de revisão tarifária para a Neoenergia Coelba e mais duas companhias elétricas do Nordeste (ENEL Ceará e Energisa Sergipe). Uma consulta pública será aberta a partir desta quarta-feira (25) e deve seguir até 10 de março. Está prevista uma audiência pública presencial para o dia 9/3, e o reajuste será oficializado após os entendimentos nessa reunião. Se aprovada a proposta da concessionária baiana, a cobrança da nova tarifa deve ser iniciada em 22 de abril.

FONTE: Tribuna da Bahia

Post Anterior

IBGE: prévia da inflação com alta de 0,55% em janeiro

Próximo Post

Diretora do SintraSuper fala sobre preocupação dos funcionários da Americanas